Filmes de Terror Com Mulheres F*das


Filmes de terror são comumente estrelados por personagens mulheres que necessitam de resgate ou são as primeiras a morrer. Também é comum ver mulheres sendo representadas de maneira sexualizada, estúpida e ingênua, características que não representam a realidade de muitas

Por isso, no dia 8 de março (Dia das Mulheres) resolvemos celebrar e enaltecer alguns filmes de terror que possuem mulheres f*das! Muitas dessas atrizes dão vida à personagens empoderadas e que não correm do perigo. Nessa Dia das Mulheres, está na hora de falarmos sobre representação feminina forte e consciente, que representam as reais situações de mulheres que enfrentam machismo, relacionamento abusivos, sistemas opressores e questões sobre maternidade

Os filmes de terror indicados abaixo são provas de que é possível levantar debates nesse meio ao colocarem mulheres como protagonistas. Portanto, celebre o dia de hoje lutando contra o mal junto à essa mulheres! 

Midsommar: O Mal Não Espera a Noite




“Midsommar: O Mal Não Espera a Noite” é um filme de 2019 dirigido por Ari Aster. O trama conta a história de Dani (Florence Pugh) que está em um relacionamento em ruínas com seu namorado Christian (Jack Reynor). Ao sofrer uma grande tragédia na sua vida, Dani resolve viajar com Christian para conhecer uma remota comunidade na Suíça.

Ao chegar lá, Dani começa a enfrentar seus traumas e seu relacionamento deteriorado. Convivendo com pessoas de costumes estranhos e até mesmo assustadores, a protagonista se pergunta se merece permanecer em um namoro não valorizado e se ela mesma estava satisfeita com a vida que estava levando. 

Apesar do desenvolvimento psicologicamente pesado e assustador, comum dos filmes de Ari Aster - como “Hereditário” -, muitas mulheres podem se identificar com a confusão de identidade e a dor do relacionamento de Dani. O filme é excelente em mostrar o forte crescimento da personagem e como ela caminha para sua independência. “Midsommar: O Mal Não Espera a Noite” é um ótimo filme para celebrar a libertação feminina.

Nota IMDB: 7,1/10
Nota Spooky Co.: 8/10

A Bruxa


“A Bruxa” é de 2015 e foi dirigido por Robert Eggers, o mesmo diretor do mais recente longa “O Farol (2019)”. A história conta a vida de uma família de New England em meados de 1630, que vive isolada e é fortemente devota ao cristianismo. As coisas começam a ficar estranhas quando o caçula de cinco filhos desaparece e a plantação da família morre. Quando sinais demoníacos começam a aparecer a família se volta contra a filha Thomasin (Anya Taylor-Joy) que é acusada de bruxaria.

Historicamente, a bruxaria é associada à mulher para representar uma figura desviante e pecaminosa. No século XVI, a Igreja Católica perseguia mulheres por meio da Inquisição com a desculpa de que elas seriam bruxas. Por isso, existem elementos de sexualidade e independência feminina que são associadas ao satanismo durante o filme. A protagonista Thomasin interpreta bem o papel de uma mulher que explora essas questões ao mesmo tempo que está inserida em um cenário perturbador.

Além de ser um ótimo filme de terror psicológico e tensão, “A Bruxa” é bem sucedido em iniciar um debate sobre a associação da figura feminina com o mal.

Nota IMDb: 6,9/10
Nota Spooky Co.: 7,5/10

Um Lugar Silencioso



“Um Lugar Silencioso” estreou em 2018 e foi dirigido por John Krasinski. O filme se passa em um cenário pós-apocalíptico onde o mundo foi dominado por criaturas que não conseguem ver, mas conseguem ouvir muito bem. Uma família formada pelos 2 pais e seus 2 filhos são obrigados a viver em completo silêncio para não encontrarem seus terríveis destinos.

Durante o filme, somos apresentados à uma dos protagonistas, a matriarca da família Evelyn Abbott (Emily Blunt). Evelyn sobrevive ao apocalipse grávida (!!!) após já ter perdido um filho. Um dos momentos mais tensos do filme acontecem quando ela está prestes à entrar em trabalho de parto. Além desse, Evelyn faz bem o seu papel de mulherão da p**ra ao enfrentar criaturas mortais ao mesmo tempo que desempenha sua maternidade.

O filme é torna-se incrível ao construir um suspense através do silêncio e as cenas de tensão são de roer os dedos! Confira Evelyn em “Um Lugar Silencioso” e não perca a estreia de “Um Lugar Silencioso II” que estreia no Brasil em março.

Nota IMDb: 7,5/10
Nota Spooky Co.: 8/10

A Morte do Demônio

“A Morte do Demônio” é de 2013 e foi dirigido por Fede Alvarez. O filme é um remake do original “Evil Dead” lançado em 1981. Esse remake foi considerado por alguns críticos como o filme de terror mais assustador de todos. A história tem como protagonista uma garota viciada em drogas chamada Mia (Jane Levy). Querendo se manter livre dos tóxicos, Mia convida seu irmão e amigos para se isolarem em uma cabana na floresta e a ajudarem a se manter limpa. Porém, a cabana abriga um espírito demoníaco que possui Mia e a faz realizar coisas terríveis.

Além de ser um filme com uma forte protagonista feminina que desempenha um papel assustadoramente bom na pele do demônio, a atriz em si merece destaque pelo seu esforço no longa. Os diretores tinham o plano de serem o mais fiéis possíveis no terror e por isso, Jane Levy concordou em ser enterrada viva para uma das cenas! Tem que ter coragem, né?

“A Morte do Demônio” não economiza nas cenas gráficas e na possessão. Para alguns, realmente pode ser o filme mais assustador de todos os tempos.

Nota IMDb: 6,5/10
Nota Spooky Co.: 6,5/10

O Babadook


“O Babadook” é um filme australiano de 2014 dirigido por uma mulher, Jennifer Kent. A história conta a vida da mãe solteira Amelia (Essie Davis) e de seu filho Samuel (Noah Wiseman). A trama se desenrola quando mãe e filho começam a ser perseguidos por uma entidade de um livro infantil que eles liam juntos, o Babadook.

“O Babadook” aborda brilhantemente questões sobre maternidade. A protagonista encontra-se em um estado quase depressivo depois de perder o marido no mesmo dia que ganhou seu filho, além de ter que lidar com uma criança que a sufoca e isola do resto do mundo. Quando Amelia começa a ser perseguida pelo Babadook ela imediatamente tem o instinto de proteger o filho. Porém, ela passa a ser assombrada por muito mais que um espírito ao se deparar com suas próprias questões de mãe e mulher.

“O Babadook” surpreendeu muitos com uma forte personagem assustador e uma protagonista que muitas mulheres mães podem se identificar.

Nota IMDb: 6,8/10
Nota Spooky Co.: 7/10

O Silêncio dos Inocentes

“O Silêncio dos Inocentes” é de 1991 e foi dirigido por Jonathan Demme. O filme conta a história de uma jovem trainee do FBI, Clarice Starling (Jodie Foster) que está tentando avançar na carreira. Clarice é então colocada em um caso para investigar uma série de assassinatos atribuídos à um serial killer e para isso deve pedir ajuda à um outro infame assassino, Hannibal Lecter.

Clarice faz-se uma protagonista extremamente forte e presente apesar de ser constantemente diminuída por seus superiores. Inicialmente, o supervisor de Clarice a manda para conversar com Hannibal unicamente pelo fato dela ser mulher e pensar que poderia reduzi-lo à dizer coisas. A agente, entretanto, acaba fazendo um trabalho surpreendente tanto com Lecter quanto com seu caso de serial killer. Clarice acaba se tornando um ótimo exemplo de uma mulher que triunfa em um meio dominado por homens.

Para quem gosta de filmes investigativos, recheados de suspense, assassinos seriais e uma protagonista badass, “O Silência dos Inocentes” é um clássico atemporal!

Nota IMDb: 8,6/10
Nota Spooky Co.: 9/10

Gostou das indicações? Conhece algum filme de terror com protagonista mulher que não foi citado acima? Então deixa sua recomendação aí nos comentários!

1 Comentários

  1. […] questão do protagonismo feminino no cinema de terror não se trata de visibilidade ou voz. Uma pesquisa desenvolvida pelo Instituto […]

    ResponderExcluir

Contact Form (Do not remove it)